sábado, 21 de janeiro de 2017

explicação

Então. Acho que um dos maiores mitos da arte é que artistas bons são artistas atormentados. Alguma coisa sobre como a tristeza e a melancolia e a miséria dão profundidade e realidade e sabedoria. John Lennon parecia acreditar nisso.



Tem até um filme com a Karen Gillan, chamado Not Another Happy Ending, no qual a personagem dela é uma escritora que só consegue escrever quando está triste. A trama do filme é sobre como o sucesso de um de seus livros deixa-a tão feliz que não consegue escrever, e seu editor tenta deixá-la infeliz para que volte a trabalhar (no meio disso ele percebe que está apaixonado por ela, o que eu imagino que deve complicar a coisas). Sim, é uma comédia romântica.



Minha opinião a respeito dessa crença - 
Eu acho que é pura besteira.

Primeiro: existem tristezas e tristezas. Tem um tipo de tristeza que pode ser aproveitada e redirecionada na criação de algo maravilhoso? Claro. Mas todos os sentimentos podem ser usados dessa forma. Não é uma característica exclusiva da tristeza. Todas as nossas experiências e conversas e sentimentos do dia-a-dia podem ser transformados em arte se você for criativo o suficiente e estiver prestando atenção.
A tristeza em questão, é claro, é uma tristeza simples. Um sentimento de base. Existe outro tipo de tristeza, uma tristeza incapacitante. Uma tristeza que não produz nada, que te preenche inteiro e faz com que você se sinta vazio.
Esse tipo de tristeza não é construtiva nem útil. Não é o tipo de tristeza que torna alguém célebre, é a tristeza que impede que alguém atinja seu potencial.

Existem muitos artistas infelizes que produziram coisas maravilhosas. Manuel Bandeira foi diagnosticado com tuberculose aos 18 anos e passou o resto da vida esperando morrer, o que só aconteceu aos 82 anos, por causa de um ataque cardíaco. Irônico, não?


Eu genuinamente acredito que, em um universo no qual esses artistas foram felizes e mentalmente estáveis, eles produziram ainda mais coisas maravilhosas. Talvez não as mesmas que conhecemos nesse universo, mas muitas, muitas outras mais, possivelmente ainda mais belas do que as que temos aqui. Mesmo porque a tristeza crônica interrompeu a vida de muitos gênios antes do tempo. Se não fosse por ela, eles poderia ter feito muito mais.

e aqui uma referência a Hamilton porque sim

É um tema meio estranho para o primeiro post do ano, eu acho. Na verdade estou tentando explicar porque não tinha postado até agora - porque eu não produzi quase nada até agora.

(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

Nenhum comentário:

Postar um comentário