sábado, 25 de junho de 2016

Letra de médico vs letra de escritor

Bem. Então; letras.
Na escola, desde o começo, cria-se esse mito de que letra de menina é mais bonitinha e floreada e letra de menino é um bando de rabiscos desesperados. Digo mito porque, apesar de ter convivido com exemplos muito característicos de cada um, também já vi muitas exceções.
Um dos garotos da minha sala tinha uma letra muito bonita. Não era floreada, mas era arrumada e cheia de certeza, e juro, era muito bonita. Quando eu vi pela primeira vez (depois de pedir a prova de física dele emprestada, porque é claro que além disso ele era de exatas), fiz questão de mostrar para todas as pessoas em volta. Porque, assim. Não era justo.
Recalque? Claro.
Porque eu sou o exemplo da menina que não tem letra bonitinha.

Muitas pessoas não entendem minha letra. Alguma coisa sobre os meus As e Os serem muito parecidos, o que eu não vejo, e consequentemente não consigo arrumar. Uma vez, no ensino médio, a corretora das redações adicionou um p.s. nas notas de correção dizendo para eu tomar cuidado com a letra para o vestibular. Esse foi um dos meus momentos mais baixos.
Não que tenha melhorado desde então.
Às vezes eu mesma não entendo minha letra. Meus Ns e Rs minúsculos também podem sair bem parecidos, e aí a palavra deixa de fazer sentido.

não é pior do que a letra do meu pai, mas ainda assim, pode ser complicado

Já me disseram que minha letra é bonita? Já. Mas digamos que quando acontece, eu guardo no coração, porque não é frequente e me aquece em dias frios.

Tudo fica pior quando eu estou fazendo anotações durante a aula ou quando estou em um surto de escrita. Escrever rápido não ajuda a tornar a minha letra mais legível. Bem o contrário.

Aí eu fiz uma descoberta.
Tenho uma amiga na faculdade que também escreve, seguindo o mesmo chamado compulsório que eu. E um dia desses, durante a aula (na época em que eu tinha aula HAHAHAHA *soluça*), tive a oportunidade de ver a letra dela.

SURPRESA SURPRESA! A letra dela também é desafiadora e hieroglífica!
(isso seria algo rude de se dizer se ela não tivesse concordado previamente com essa descrição. Mais ou menos parecida com essa, pelo menos.)

Isso me levou a criar uma teoria.
E se essa história de ser escritora for a causa direta da letra? Porque tem uns momentos em que se precisa registrar as palavras o mais rápido possível, e pouco importa como elas fiquem no papel. É uma coisa meio frenética. Com suficientes anos fazendo isso de forma constante, é bem possível que tenha uma influência definitiva na letra talvez antes processável de alguém.

O que me fez pensar em médicos.
Médicos também escrevem rápido. Médicos provavelmente também precisavam anotar coisas em velocidade supersônica durante seu curso que dura aprox. 56 anos e meio. Médicos não têm tempo a perder, eles têm mais 40 pessoas agendadas depois de você. Tome essa receita rabiscada e boa sorte na farmácia.
Eles também foram condicionados. Eu nunca achei que, seguindo uma carreira tão diferente, eu teria um ponto de identificação tão forte com médicos.

Também acho que seria interessante adicionar que eu tenho uns dois amigos que escrevem em itálico. A letra deles é inclinada e fina. Juro, é itálico.
Acho que demos um caderno de caligrafia para um deles uma vez. Ele não usou.
Eu tenho alguns cadernos de caligrafia velhos aqui em casa. Quase tirei da gaveta para praticar depois daquela mensagem da corretora.

Antes da minha primeira prova na faculdade, o professor disse que era importante ter uma letra fácil de ler. Que já era uma vantagem no exame. Aí eu chorei, né. Brincadeira, eu só meio que dei de ombros e pensei "que seja o que Zeus quiser". Eu sempre começo tentando caprichar, mas aí vou ficando nervosa e com pressa e a letra vai ficando cada vez mais inteligível.
não que ele tenha moral, a letra cursiva dele é um grande mistério. pobres alunos de intercâmbio.

Esse é o tipo de reflexão interessante que eu tenho. Uau, não?
Quer saber, o que minha letra tem é personalidade.

(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Um vídeo para aquecer seus corações nesses dias frios e chuvosos

e para comemorar meu aniversário, porque eu me satisfaço com as coisas simples e sofisticadas.
(o primeiro a gritar DEADPOOL ganha)

(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Desvirtuação

Eu estou fazendo faculdade. Faculdades fazem greve. Faz umas três semanas que eu não tenho aula.
O que segue é uma interessante história que se encaixa muito bem com o refrão de Camisado, do Panic! At The Disco. 

um trecho do refrão em questão
Eu sempre dormi tarde. Por quê? ora, vamos fazer um entreato para falar a respeito.

~ODE ÀS MADRUGADAS

Silêncio. Mundo fora do mundo. Seu quarto é o único lugar com luz, a única coisa que ainda existe. Não há vozes, não há chamados. Não há interrupções nem responsabilidades que esperam para ser cumpridas. Fome e sede não têm importância. Todo som é seu, apenas seu, apenas para os seus ouvidos. Você é a última pessoa viva, a última pessoa consciente, e essa condição não é solitária, mas sim gloriosa.
Silêncio.~

Eu gosto de madrugadas. Gosto de ficar acordada e apreciar essa realidade mágica. O problema é, eu não funciono bem no dia seguinte depois de ir dormir tarde. Nem se eu dormir da uma da manhã às dez (nove horas de sono), o que deveria ser um ótimo período. Acordo como uma batata e pronto.
Algumas vezes tentei criar um padrão de sono um pouco mais saudável, principalmente durante as aulas, mas nunca funcionou por mais de dois ou três dias seguidos.
Aí, a faculdade.

Agora acordo uns 12 minutos mais cedo do que costumava para ir para a escola, o que parece pouco, mas é fato que qualquer minuto a mais de manhã é sagrado e necessário. Ficava com muito sono durante as aulas, não por desinteresse, mas por sono mesmo.
Então, veio aquele ataque de responsabilidade.
Comecei a ir dormir em algum momento entre as dez e as onze, com raras exceções. Passei a acordar cedo (para os meus padrões, pelo menos) em dias nos quais não tinha aula. Adiantei matéria e lições e trabalhos, sempre fazendo a obrigação antes do lazer. Fiquei exemplar, e tremendamente orgulhosa de mim mesma.

EVENTO DE TRAMA QUE CAUSA REVIRAVOLTA -
não querendo me gabar, mas manjo muito o paint (sim é comic sans)
Então, ok. Greve. Isso significa que se você for uma pessoa engajada que luta pelos seus direitos cívicos, você vai continuar indo para a faculdade para tomar parte nas atividades, como rodas de conversa e apoio a piquetes. Agora, se você for como eu, meio tímida, meio sem opinião, meio não-quero-acordar-às-5-e-53, significa que você vai ficar em casa se perguntando o que está acontecendo.

A pergunta que não quer calar - GREVE = FÉRIAS????
A resposta - depende.
Depende do que você decide fazer com o seu tempo. Eu, por exemplo, li toda a bibliografia das minhas aulas pro resto do semestre. Porque eu sou exemplar assim. Ou era.

A RECAÍDA
Gente. Minha disciplina foi embora.
Parei de acordar cedo, voltei a madrugar, tem 11 guias de anime no meu navegador nesse exato momento, ontem eu ia começar a adiantar um trabalho e ao invés disso acabei começando uma fanfic.
Estou voltando a ser o que era. Será que todo o meu esforço para ser um membro produtivo da sociedade foi para nada?

A luta é real, e a desvirtuação também. Alguém mande ajuda.

(ノ◕ヮ◕)ノ*:・゚✧