terça-feira, 30 de agosto de 2016

aka O que eu venho escutando no ônibus

A rádio não morreu. Continua tão viva que passou do aparelho para a internet, onde programas feitos com o formato de áudio tornaram-se comuns. Esses programas são chamados de podcasts.
Estou aqui para falar de um podcast muito especial. Ou, se é para ser honesta: um podcast muito estranho.



Pois é. Bem vindos a Night Vale.
Night Vale é uma pequena cidade no interior do deserto americano, afastada do resto do país. O que é bom para o resto do país, porque Night Vale não é normal. A proposta, segundo os criadores, Joseph Fink e Jeffrey Cranor, era criar um lugar onde todas as teorias de conspiração são verdade e onde eventos sobrenaturais e inexplicáveis fazem parte do dia-a-dia. Somos informados do que acontece na cidade por Cecil Palmer, apresentador do noticiário da rádio local.

"Uma amigável comunidade do deserto onde o sol é quente, a lua é linda e luzes misteriosas passam por nossas cabeças enquanto todos fingimos dormir."

Tudo começa quando uma equipe de cientistas forasteiros, liderada por Carlos, de cabelos e dentes perfeitos, vai para Night Vale com o propósito de entender aqueles fenômenos fantásticos tão corriqueiros. Cecil gosta de Carlos. Bastante. E isso não é nenhum spoiler.


Welcome to Night Vale é incrivelmente estranho, completamente peculiar e muito, muito bom.
Todos os episódios são diferentes e insanos, trazendo acontecimentos épicos como a nuvem que solta animais mortos e o gato que flutua em uma altura fixa no banheiro da estação de rádio.



Além de serem divertidos, os episódios são muitíssimo bem escritos, muitas vezes adquirindo um tom reflexivo e até poético. O roteiro, adicionado à maravilhosa atuação de Cecil Baldwin (sim, o ator tem o mesmo primeiro nome do personagem), consegue evocar imagens muito vívidas e claras. Sem contar as frases marcantes, carregadas de tanto significado que poderiam ser postadas no facebook e atribuídas à Clarice Lispector.

O deserto é vasto, até infinito. E mesmo assim, cientistas nos dizem que em algum lugar, mesmo agora, há neve.

A morte só é o fim se você assumir que a história é sobre você.
E claro, outras frases um pouco menos filosóficas.

Nós não temos nada a temer exceto a nós mesmo. Nós somos pessoas profanas, horríveis. Temamos a nós mesmos em silêncio.
E o twitter deles é uma obra-prima. Vou dar só um exemplo para não dar cinquenta.

Um nome é uma mentira que te impede de pensar que você pode ser mais do que um único ser.
O podcast sai duas vezes por mês desde 2011, e pode ser escutado *aqui*. Sim, é em inglês. Acredito que existam vídeos com os áudios legendados em português? Com certeza pode ser encontrado, considerando que existe uma fanbase relativamente grande no Brasil.


(tem várias imagens e em um tamanho grande porque a fanart de Welcome to Night Vale é fabulosa e eu não consigo resistir)
Considerando o tema, vejo-me obrigada a dispensar o usual emoticon de despedida para usar o bordão do Cecil.
Boa noite, Internet. Boa noite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário